Voz Oblíqua: Quanto é que apostam...
 
    The Voice Mail

 

Voz Oblíqua

Voz: [subst. fem.] Produção de sons emitidos no ser humano pela laringe com o ar que sai dos pulmões; grito; clamor; linguagem; fig. opinião; poder; inspiração; conselho; sugestão. Oblíqua: [adj. fem.] enviesado; torto; vesgo; fig. indirecto; dissimulado; ambíguo; dúbio.
 
 
 

Disse-se em...

Patrocí­nios da Voz

  • Design by Stacee Leung
  • Powered by Blogger
  • Images hosted by ImageShack
  • Search Engine by Free Find
  • Comments System by Haloscan
  • FAQs sobre blogs.

    O Valor da Voz:

    A Encadear a Voz:

     
    Quanto é que apostam... segunda-feira, dezembro 04, 2006

    ...que o criativo publicitário que concebeu este anúncio trabalhava no Porto na altura em que o produto foi lançado?

    [Clica para ver.]

    Eu, Wakewinha, me declaro uma das utentes diárias da A29, que todas as manhãs, no sentido sul → norte, por volta das 7h / 8h, tenta entrar na cidade do Porto para trabalhar. (Quando o grupo bancário proceder às avaliações semestrais aposto que a pontualidade não vai abonar a meu favor!)

    É gritante o cenário com que me deparo todos os dias, e desesperante saber que a única alternativa é pegar nas "malinhas" e procurar casa no centro da Invicta. Não, isso está fora de questão no momento! Por isso reflictamos na única possibilidade que tenho actualmente...

    Sei que há pessoas que fazem este trajecto há anos r-e-l-i-g-i-o-s-a-m-e-n-t-e, mas convenhamos que qualidade de vida é algo que reduzimos substancialmente quando temos de lidar com esta autêntica selva urbana! São horas para fazer trajectos que em circunstâncias normais se percorrem em cerca de meia hora. São acidentes, engarrafamentos, a cidade entupida...

    Confesso que sou uma pessoa que tenta não desesperar, e
    acompanhada de boa música e bons animadores(as) de rádio não ligo o motor da cólera facilmente! Mas há dias em que os meus limites são seriamente testados!

    Mas sabem o que me aborrece ainda mais? É saber que o problema só existe devido à má utilização das vias por parte dos condutores. Em dias de chuva até acredito que alguns azares sejam inevitáveis, mas se os acidentes - vulgos "toques" - acontecem, porque terão os outros automobilistas que abrandar para ver a desgraça alheia? Têm realmente prazer nisso? E porque insistem em se enfiar como o piolho entre as costuras para ver se passam à frente de um maior número de carros? Estarão tão sedentos de urgência que nem sequer reparam que na verdade não saem do mesmo sítio?

    Pressa para chegar ao trabalho temos todos que nos levantamos às 6h00 para conseguir estar no escritório às 8h30, e como em tudo na vida, se “remarmos para o mesmo lado” é mais fácil e chegamos mais depressa! Então vamos todos colaborar, sim? Três sugestões muito simples:

  • Quando avistarem um acidente continuem a andar sem parar. Até podem abrandar, por uma questão de precaução, mas não travem ou estacionem no meio da via, senão quem vem atrás pode ter “algumas” dificuldades em passar!

  • A faixa da esquerda não se chama faixa de aceleração em vão, compreendem? Por isso se vão à esquerda, mantenham marcha rápida.

  • A alguns metros da saída (à direita) pretendida, aproximem-se da faixa da direita, e tanto quanto possível, e se a fila entope a entrada, encostem-se mais à berma, dessa forma não vão inutilizar de todo nenhuma das vias.

  • Selva UrbanaSó mais um alvitre, se me permitem! Eu sei que não é fácil – eu sei! – mas tentem manter a boa disposição, até porque os atrasos na chegada ao trabalho são assegurados, mas podemos pelo menos escolher se queremos ou não chegar bem dispostos! E como esta não é uma escolha arbitrária e individualista, lembrem-se que o vosso humor pode influenciar quem tem e-x-a-c-t-a-m-e-n-t-e- o mesmo objectivo que vocês: chegar!!!

    Etiquetas:

    4 Comments:

    At 06 dezembro, 2006 12:52, Anonymous Anónimo said...

    Deogracias hoje em dia, e morando no mesmo sitio que há 20 anos atrás, não apanho trânsito nenhum para chegar ao centro do Porto. Já passei muitas horas enfiada dentro de um autocarro apinhado :s (maldade para quem só tem 4 anos e acordou às 6 e pouco da manhã)

    Tchi ao tempo que não via este anúncio :)

     
    At 06 dezembro, 2006 15:25, Blogger johnny handsome said...

    Vejo que a minha Amiga voltou em força e jeito! Pois é com grande alegria que saúdo este regresso e me penitencio publicamente por só agora ter dado conta dele (também podias ter-me feito uma visitinha a dar a boa nova, não????).
    Sobre o tema do tráfego insolúvel nas grandes cidades, especialmente na Invicta, já gastei o latim que tinha a gastar, e sempre em vão.
    Pelo que vejo também mudámos de emprego e novos desafos profissionais se apresentam. desejo-te as maiores felicidades e espero que a mudança tenha sido para melhor, como devem ser todas.
    Beijoka e feliz regresso.

     
    At 07 dezembro, 2006 21:00, Blogger Nilson Barcelli said...

    Tens toda a razão no que se refere às culpas dos condutores.
    Porque não vais de transportes colectivos?
    Beijos.

     
    At 07 dezembro, 2006 21:28, Anonymous Daniela Mann said...

    Eu lembro-me dessa publicidade!!! LOLOLOLOLOLOL
    O trânsito, o trânsito...
    Beijinhos

     

    Enviar um comentário

    << Home

     

     
     
    |Voltar ao Topo|