Voz Oblíqua: Pessoas como Nós :: Novo romance de MRP
 
    The Voice Mail

 

Voz Oblíqua

Voz: [subst. fem.] Produção de sons emitidos no ser humano pela laringe com o ar que sai dos pulmões; grito; clamor; linguagem; fig. opinião; poder; inspiração; conselho; sugestão. Oblíqua: [adj. fem.] enviesado; torto; vesgo; fig. indirecto; dissimulado; ambíguo; dúbio.
 
 
 

Disse-se em...

Patrocí­nios da Voz

  • Design by Stacee Leung
  • Powered by Blogger
  • Images hosted by ImageShack
  • Search Engine by Free Find
  • Comments System by Haloscan
  • FAQs sobre blogs.

    O Valor da Voz:

    A Encadear a Voz:

     
    Pessoas como Nós :: Novo romance de MRP quinta-feira, maio 26, 2005

    "Os homens nem sempre avançam, nem sempre atacam. Alguns preferem esperar, deixar que o tempo lhes traga o que mais precisam, para nunca terem de tomar decisões. O Fred é assim, como um lobo, e os lobos preferem morrer de fome a cometer um erro. Ele nunca dará um passo em frente."

    Image Hosted by ImageShack.us

    Goste-se ou não, Margarida Rebelo Pinto é a autora portuguesa que melhor lega o estado das relações homem / mulher / homem em pleno Século XXI. Sou uma acérrima fã, não li - devorei - todos os seus livros, cito-a inúmeras vezes, e desejo poder um dia trocar consigo dois dedos de conversa.

    Até lá, partilho com todos os fãs desta autora o tremendo desejo de ler este livro. Dentro de dias já terei opinião formada!

    Nota: Uma pequena nota de rodapé, e que nada tem a ver com MRP; depois de ter visto Confissões das Mulheres de 30 não queria deixar passar a oportunidade de vos aconselhar esta peça que arrancou inúmeras gargalhadas ao público que rebentou a sala pelas costuras! O texto é inteligente e a encenação está muito bem conseguida. As actrizes são qualquer coisa de fenomenal...

    Etiquetas:

    20 Comments:

    At 26 maio, 2005 01:54, Blogger Kitty said...

    Confesso que não me sinto nada atraída por essa senhora. Não li, nem conto ler algum dos seus livros... não me perguntes para justificar racionalmente esta atitude. Não gosto dela e não há nada a fazer, assim como gosto de autores que muita gente não suporta! ;-)

     
    At 26 maio, 2005 02:16, Blogger Wakewinha said...

    Ora nem mais! O que mais aprecio é mesmo a sua capacidade para atingir extremos. Não encontras quase ninguém a quem ela seja indiferente: ou a amam, ou odeiam! Eu fui logo admirar a senhora, até porque aprecio o modo como ela desmistifica as relações...

    Mas estou para aqui eu a falar de MRP contigo, enquanto ando às voltas desesperada no teu consultório sem entender como raio consigo aquilo que me explicaste... =(

     
    At 26 maio, 2005 02:17, Blogger Wakewinha said...

    Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

     
    At 26 maio, 2005 02:18, Blogger Wakewinha said...

    Já agora, Kitty, a que autores te referias no teu comentário?

     
    At 26 maio, 2005 03:18, Blogger SpiKe said...

    É a primeira vez k visito o teu blog e... fiquei por aqui a lê-lo de alto abaixo até estas bonitas horas.
    Quanto à MRP, sinceramente, não gosto. Tentei ler o "Sei Lá", mas não consegui...

     
    At 26 maio, 2005 12:57, Blogger Kitty said...

    Hum... assim de repente lembro-me do Stephen King! ;-)

     
    At 26 maio, 2005 15:27, Blogger Wakewinha said...

    Kitty, como nunca li Stephen King, não posso emitir qualquer opinião!

    Unpredictable, volta sempre que desejares, e sê sempre benvindo! ;)

     
    At 26 maio, 2005 21:46, Blogger Kitty said...

    Digamos que é um mestre do terror, se bem que agora está mais "light".

    Nunca leste mas de certeza que já viste algum filme... De repente recordo-me dos velhinhos "Carrie" e "Shining", dos "Condenados de Shawshank", dos mais recentes "À espera de um milagre"/"The Green Mile" ou "O caçador de sonhos"... entre muitos, muitos outros! ;-)

     
    At 26 maio, 2005 23:57, Blogger Wakewinha said...

    Sim, sim, eu sei quem é o autor, porém nunca li nenhum livro, embora tenha sido sempre admiradora das adaptações ao cinema! Aliás, o The Green Mile foi um dos filmes mais apetecíveis que vi até hoje... ;)

     
    At 27 maio, 2005 12:46, Blogger Cakau said...

    Já li vários livros da autora e não tenho aquele fascínio... Aliás, fascínio nenhum. Não posso, contudo, dizer que não me agrada. Mas sou dada a outro tipo de escrita e que fuja do banal.

    Há um fenómeno em redor desta autora.
    É fácil escrever livros. Difícil é conquistar leitores. E isso parece que ela consegue, da maneira mais simplista. Tem mérito por isso. E pela sua simplicidade. Não puxa muito pela imaginação. É previsível.

    É leve. Ideal para uma tarde como a de hoje, chuvosa e fresca :)
    Beijokas e bom fim de semana * :D

     
    At 27 maio, 2005 13:25, Blogger Wakewinha said...

    É verdade, Cakau. Por isso mesmo escritoras como a MRP, Inês Pedrosa ou Maria João Lopo de Carvalho fazem agora parte dos programas de Teoria da Literatura nas melhores Universidades que se dedicam ao estudo da língua portuguesa.

    Não sei se os livros da MRP são previsíveis; talvez apenas de fácil caracterização! Estereotipar é aquilo a que ela se propõe. E como estas escritoras levaram à leitura muitas pessoas que não haviam pegado em qualquer livro, a não ser da colecção Disney, são hoje estudadas com orgulho na parte do programa dedicada aos "Romances Light"! =)

     
    At 28 maio, 2005 21:07, Blogger Menina_marota said...

    Confesso que o primeiro livro que li de Margarida R Pinto, foi "Artista de Circo", oferecido pela minha jovem filha, que é uma sua fã.
    Há um parágrafo neste livro, que mantenho de memória:
    "Porque escrevemos, não sabemos, para quem, quase nunca o dizemos, e como, não fazemos ideia. Escrevemos porque achamos que ninguém nos ouve, porque a loucura anda por perto, é uma forma de a distrair, porque somos sádicos e masoquistas, porque sim e porque também. Escrevemos porque não sabemos fazer mais nada, porque a solidão e o silêncio que o trabalho nos empresta é o que nos salva do cansaço e do desencanto, porque os sons e as palavras mandam mais que nós..."

    A partir desta leitura, não voltei a ter vergonha de dizer que escrevia, em tudo o que encontrasse... desde guardanapos de papel, a fóruns, até agora, que tenho três blogs (eu estou doida!)para actualizar.

    Escrever é a minha paixão. Ler também...especialmente, ao som das minhas músicas preferidas!

    Por hoje te deixo, com um abraço e votos de um fim de semana muito bom :-)

     
    At 29 maio, 2005 13:46, Blogger Cakau said...

    Tens razão, Raquel.
    Para estudos literários é bem melhor obras de fácil interpretação! ;)

    Kisses *

     
    At 29 maio, 2005 20:58, Blogger lobices said...

    ...citas palavras de MRP:
    "Os homens nem sempre avançam, nem sempre atacam. Alguns preferem esperar, deixar que o tempo lhes traga o que mais precisam, para nunca terem de tomar decisões. O Fred é assim, como um lobo, e os lobos preferem morrer de fome a cometer um erro. Ele nunca dará um passo em frente."
    ...nunca li MRP apesar de a conhecer nos mídia
    ...porém, se aquela é uma opinião dela, eu, na qualidade de "lobo" confirmo a veracidade num dado ponto: "preferem morrer de fome a cometer um erro", mas já não concordo com a primeira parte no que diz respeito ao "nunca terem de tomar decisões"... é que, preferir morrer a cometer um erro é tomar uma decisão!...
    beijinho

     
    At 29 maio, 2005 22:34, Blogger Wakewinha said...

    Não deixa de fazer sentido, Lobices! De qualquer mdo fico contente que um espécime masculino tenha a frontalidade de reconhecer uma das verdades... =)

     
    At 30 maio, 2005 16:43, Blogger Sombra said...

    Confesso que não gostei do único livro que li, antes de começar o fenómeno MRP. A uma semana de saír o mais recente, puseram-me na mão um excerto do primeiro capítulo e enfureci-me com o trecho «a bulimia que a transformou numa lontra aos 14 anos». Concluí que a MRP ouviu falar em bulimia mas nunca se informou sobre o assunto, ou jamais diria que um bulímico engorda desmesuradamente! Irra!

     
    At 06 junho, 2005 19:19, Blogger Serafim said...

    Todos os livros dela poderiam começar pela frase "os homens são todos uns FdP..." O resto é quase sempre igual, ou variações sobre um mesmo tema

     
    At 08 junho, 2005 11:27, Anonymous Anónimo said...

    Leitura para não leitores...

     
    At 11 junho, 2005 00:41, Blogger Ana, dona do café said...

    adoro mrp, mas odiei o livro...
    As cronicas da margarida pra mim são o top dos tops, por maus criticas que façam...
    beijo grande :P *

     
    At 26 dezembro, 2006 15:23, Anonymous Anónimo said...

    adoro todos os livros da margarida rebelo pinto!

     

    Enviar um comentário

    << Home

     

     
     
    |Voltar ao Topo|